quinta-feira, 28 de novembro de 2013

ÂNSIAS DO HINTERLAND

Com os olhos fixos no abstracto,
Eu corpo, procuro satisfação
Da ânsia física em ti.
E eu alma, chamo por vagos devaneios
Que nesse tal vazio, hospedam fascínio!
E por esses devaneios sei, e como sei
Que predispor-me-ei a pensar, dizer…oh! Fazer
Santos disparates em diabólicos paraísos,
Contigo corpo, pois creio, que satisfarás
Minhas ânsias que
Da candura já se dizem desprendidas.
E sei que comigo, edificarás

Esses tais devaneios… Oh! Alma feminina.