sábado, 22 de dezembro de 2012

Viva pessoal do Rectasletras! Estou a gostar muito da vossa iniciativa. Para mim não há melhor maneira de aprender que esta. Por isso, Junto-me a vós. E porque estamos num espaço de estudo, permitam-me que possa tecer o meu comentário sobre alguns dos artigos que pude ler e que me deixaram com uma dupla sensação.
A primeira é a de que jovens como nós podem fazer coisas interessantes, refelectir sobre ciências e a vida, apresentar seus pontos de vistas sobre fenómenos artisticos, cientificos e da vida em geral e que envolvam a sociedade de formas mais lucida e honesta e, por isso, todo o meu encorajamento, força!
A segunda é que o trabalho que abraçamos num espaço como este significa um conpromisso social e academico e, por isso, importante dizer tudo de forma consciente e cuidadosa. Serão lidos por muita gente desde os conhecedores das matérias apresentadas à gente pouco aprofundada nos temas abordados. Aos primeiros nem há problema, pois nisso só vão detectar erros e corrigi-los, mas aos segundos ser-lhes-á criada a confusão epistemológica, porque uma boa parte dos leitores nem percebe que num espaço como este pode conter erros de todo tipo.
De alguns artigos lidos constatei erros ortográficos, sintacticos e até semântico, para além da falta de atenção ao citar outras fontes e se essas fontes estiverem duvidosas é muito bom confrontá-la com outras que versam sobre o mesmo assunto. Um dos exemplos é o artigo escrito por Gildo em que confunde formas de acusativo e dativo dos pronomes átonos. A gravidade é maior por se tratar de uma citação. Se o for autor que estiver errado não custa corrigi-lo ou consultar outros para ter certeza. 
Para que coisas do género não seja frequentes neste Blogger sugiro que se faça a troca dos artigos antes de editá-las para que o blogger não caia em descredito ou nessa suspeita.
O outro risco é a tentação de se fazer juizo moral ou de valor dos próprios artigos sob o risco de matar o debate e a busca de novas perspectivas.  É falta de humildade cientifica achar que o que tu dizes é muito bom. Gardar uma posição imparcial sobre o que se diz é sempre uma atitude cautelosa e até intelectualmente honesta. Deixa que os outros irão avaliar o seu trabalho.
O outro aspecto antes mencionado é o do valor semântico das palavras. É um facto que a língua é dinâmica e, por isso, as palavras vão ganhando novos significados ao longo das história, mas é preciso que cada palavra seja unsado com um significado claro no texto. Quando se tratar de uso conotado que fique claro esse uso. Que não se confunda conotação com o mau uso da palavra.
PS: Muitas são as observações feitas, mas essas observações não pretendem, de modo algum, desencorajar, pelo contrário, são uma provocação para que procuremos trabalhar mais.
Até mais!
Feliz Natal A toda a equipa Do