segunda-feira, 15 de outubro de 2012

O poder da mente!


 

 

 
Quando a esperança insinua seu suspiro último,

Sem que o homem se nutra de tais tendências.

Forças do além terra traçam seu negro destino!

 

Vivenciando o que lhe foi atraído por seus pensamentos,

Eis o facto: além de si, só ninguém é senhor do seu desespero,

Da dor sentida, da glória vivida. Ah! Também das alegrias!